Notícias

31 de maio DE 2021

Educação Profissional e Tecnológica Emancipatória: Juventudes e Trabalho

Primeiro capítulo da obra do Itaú Educação e Trabalho discute a necessidade da preparação da juventude para as mudanças impostas pelo futuro do trabalho

A tecnologia está e estará cada vez mais presente em diferentes profissões, gerando desafios de adaptação e criando oportunidades de especialização. Nesse cenário, as relações trabalhistas serão cada vez mais afetadas. Mudanças virão à medida em que a tecnologia flexibilizar as tarefas, as horas trabalhadas, a terceirização de funções, os contratos temporários, o jeito de combinar oferta e demanda, a colaboração remota, a avaliação dos colaboradores pelos resultados, não pela presença física.

Antecipar o futuro hoje desperta a consciência da sociedade e possibilita planejar as próximas décadas. As tendências do trabalho influenciam diretamente a escola e, desta forma, a Educação Profissional e Tecnológica terá de formar os jovens para as habilidades gerais - as do mundo do trabalho e as técnicas.

Esse debate é tema do Capítulo 1 – O trabalho do futuro e seus desafios do livro “Educação Profissional Tecnológica Emancipatória: Juventudes e Trabalho”, desenvolvido pelo Itaú Educação e Trabalho. O primeiro capítulo da obra faz uma análise sobre a quantidade e a qualidade dos trabalhos, a forma como são realizados e por quem e como tudo isso será alterado nas próximas décadas devido a inovações tecnológicas, às novas relações trabalhistas, a globalização e as mudanças demográficas.

O mundo do trabalho se tornará mais heterogêneo, flexível e competitivo, e profissões de nível intermediário, com tarefas rotineiras, como ocupações administrativas e de escritórios, tendem a ser as mais automatizadas. Trabalhos que exigem análise, gestão, tomada de decisão, raciocínio abstrato, aprendizado, inovação e criatividade deverão ser mais demandados.

Na outra ponta, o envelhecimento populacional, o aumento da longevidade e a queda da fertilidade aumentarão o número de trabalhadores mais velhos e de mulheres na força produtiva mundial.

O trabalho do futuro exige, agora, uma formação que ajude o jovem a compreender todas as transformações que estão em curso. Pela perspectiva da aprendizagem continuada, empresas e governos terão de ofertar treinamentos periódicos, apoio e suporte à transição tecnológica para que os trabalhadores se qualifiquem para as novas exigências do mundo do trabalho.

Saiba mais sobre o capítulo 1 e da obra

Na próxima semana, iremos explorar o Capítulo 2 - Percepções dos jovens sobre o mundo do trabalho.

Termos de uso e política de privacidade